segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Sou poeta

Sou poeta,
Se por vezes canto a dor
E lamento o canto,
Tudo a ver, nada a contentar-se,
Busca incessante,
Destino de nunca encontrar-se,
Não te iludas com todo esse cantar,
O que exponho não é meu
Épura obra desse canto, que com poder e sonhos infindos
Vem, sempre, em mim consumar-se.
.
Sou poeta, neste mundo
para sonhar, iludir-me , chorar, voar..
Respeitosamente contemplo esse meu canto,
Magia que me comanda, que vive, em mim,a entoar-se.
.
Sou poeta
Escrava desse canto, dessa voz que me conduz,
Que sempre em comando, convida-me à cumplicidade
E, assim, determina o meu caminhar.
.E silenciosa obedeço,
E, obedecendo, versos contemplo,
Versos impetuosos, inquietos versos que, entre a mão e o papel
estão sempre a derramar-se.
.
Não sou canto, não sou o chorar,
Não sou sol, não sou luar,
Sou poeta - ser atiçado, provocado,
Instrumento do cantar.
.Não me culpes , pois,se versos escrevo,
Canções que não queres ouvir.
É que sou poeta e o canto que canto,
Não sou eu que canto,
é o próprio canto, sedento, flamejante,
Senhor de mim a ordenar-me.
É dele esse cantar.
.
Sou poeta a vagar pelo mundo das palavras,
guiada pelas mãos desse canto,
Ser objeto, sujeito ao canto,
Entregue a esse canto, impregnado de querer
que sobre mim abre as suas asas, do meu ser se incorpora,
obrigando-me a cantar o seu canto, a me entregar.
.
Sou objeto desse canto que me exalta e me aniquila,
em versos repletos de querer,
Dono de mim, do meu ser, que me exige, me ordena,
Obriga-me a não me pertencer.
.Essência da sua essência, corpo único, único ser.
Desejo fundido em mim,
em desejos de bem querer.
.
Sou poeta, ser vencido, disponível, comandado,
pelos versos a navegar.
Arremessada no horizonte, submergida pelas mãos do sensível,
em profundo, imenso mar,
revestida de poesia, imposta por esse canto,
que, em mim, insiste em espalhar-se

5 comentários:

  1. Lindo poema!

    A poesia cria vida própria.
    Nós somos o instrumento.

    Te parece em certos momentos que estás a psicografar, como se as palavras transbordassem de ti, sem saberes bem de que forma e não conseguissese contê-las?

    A caneta a escorregar pelo papel como se não pensasses nada para escrever e a poesia viesse pronta às suas mãos.

    Demais essa sensação. Por isso comparo ao termo espírita psicografia.

    Eu tenho esse sentimento.

    Grande bj.

    ResponderExcluir
  2. Continue sendo esta poetisa encantadora de canto tão singular. Parabéns poetisa !!

    ResponderExcluir
  3. Olá amiga, lindo poema ! Seu canto poético é pura sensibilidade e encanto. Bj com o carinho de sempre.

    ResponderExcluir
  4. Olá poetisa Lice!
    Seu poema nos encanta cada vez mais pelo lirismo e beleza singular de expressividade e sensibilidade espontânea, parabéns! Bjs no coração.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo blog voltado para cultura. Leia minha poesia: CANTO AO CEARÁ, selecionada para coletânea do XII Prêmio Ideal Clube de Literatura. Obra lançada no dia 21 de janeiro de 2010. Leia, comente e divulgue. Veja também meu documentário, penúltima matéria do blog: Padim Ciço, Santo ou Coronel? Meu blog: www.valdecyalves.blogspot.com

    ResponderExcluir