quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Outrora





Outrora, fui pássaro livre

Que se movia por entre as nuvens,

Pairava no espaço

E buscava, sempre, a árvore mais alta.

.

Outrora, como pensamento, percorri sozinha

Os limites do tempo

E encontrei homens bons

E encontrei homens maus.

.

Outrora, entre o voo e o pouso,

Perdi a minha liberdade

E, aprisionada, cantei cânticos sofridos,

Canções choradas,

Enaltecendo os meus algozes.

.

Outrora, reconsquistei a minha liberdade,

Quebrei as cadeias

Que me algemavam a alma

E voei.

.

Outrora, pousei em mar aberto,

Conversei com baleias, sereias...

E entre ondas agitadas

Fui amiga do mar.

.

Outrora, aceitei a paixão,

Entreguei o meu coração,

Mas, ao sentir o entardecer

Tive que abrir as asas

E, novamente, voar, voar, voar...

.

Abri novamente as asas,

Movendo-me como águia

Entre as montanhas e as noites,

Buscando abrigo encontrar.

.

Com pálpebras firmas,

Agarrei o fogo com as mãos.

Fui corrente do rio sem fim,

Profundezas do mar.

Que o fogo não pode atingir

Que o fogo não pode queimar.

.

Sou, pois, hoje coração caminhante,

Pousando sobre a relva,

Quando me deixam pousar,

Sobrevoando o céu,

Em busca do meu destino,

Ainda por desvendar.

8 comentários:

  1. Oi, Lice querida
    Quando me deixam pousar,
    vou longe... voo longe... sou muito mais eu...
    Lindo poema, me lembrei de Leonardo Boff...
    Galguemos alturas do amor!!!
    Abraços fraternos e carinhosos.

    ResponderExcluir
  2. Olá Otelice!
    Seu poema nos transmite uma grande força interior e uma beleza espiritual capaz de subir aos céus sem asas, como um pássaro gigante e veloz. Parabéns, por mais essa inspiração poética e muita luz no seu coração. Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Que lindo!
    "Sobrevoando o céu,

    Em busca do meu destino,

    Ainda por desvendar."
    Vivemos assim ne em busca de um lugar para pousar...

    ResponderExcluir
  4. NOVOS CAMINHOS

    O Bar virtual O BLABLABLA NO TELECOTECO mudou de local. Agora ele faz parte de um conglomerado chamado GUARÁ MATOS blablablas e afins/ https://sites.google.com/site/blablablaseafins/ (até eu registrar um domínio próprio, usaremos esse endereço e devemos prestar atenção no HTTPS, que é assim mesmo. Infelizmente não registra para ser seguido). Um site onde todas as expressões artísticas e culturais serão pesquisadas e divulgadas.
    São várias páginas com diversos conteúdos e a participação das pessoas vai ser de extrema importância para divulgação de eventos e dos bares da preferência de cada um.
    As entrevistas levarão o nome de “Blablablas e afins” e serão realizadas dentro da página que leva o nome do bar.
    Como site é diferente de blog criei um formulário de comentário, estilo “fale conosco”. As intervenções dos visitantes serão registradas e mandadas para uma página fora (Google Docs) e eu responderei um a um pelo e-mail que for deixado no momento do depoimento.
    Vídeos, fotos, informações, notícias, lista de contato dos amigos e tantas coisas mais poderão ser acessadas por todos.
    Procurei fazer algo de qualidade e pensando na interação, na participação dos meus seguidores e também quem eu sigo.
    Acho que vai ser muito legal pra todos nós.
    Conto com você de verdade e também com seus leitores.
    Abraços,
    Guará Matos.

    ResponderExcluir
  5. Lice querida,
    Eu é que agradeço o prazer de tão belaa leituras que me proporcionas "Outrora", foi um dos mais belos poemas que li nestes dias. vc passa uma mensagem de muito otimismo. Um poema magistral!
    parabéns amiga!
    Obrigada pela visita!

    bjs!

    ResponderExcluir
  6. OTALICE
    Ao ler teus poemas tão delicads e fortes tenho a certeza que estes versos jamais serão OUTRORA,sempre atuais. Bjs, espero esteja tudo bem contigo . Carmen

    ResponderExcluir
  7. De uma linda força poética. Adorei!!!
    bjs

    ResponderExcluir
  8. Poema lindo, aliás como todos os que voce compõe. Sim, compõe, pois que seus versos soam como música. Fez-me lembrar Leonardo Boff e também Gilbert Dimenstein, que tbém falaram sobre a águia e o que é ser águia. De uma grande força poética, de seus dedos escorrem poesia. Regina Dutra.

    ResponderExcluir